LACERDA – A ALMA DO BG

Alguns garçons são a cara do bar, mas Eronildes Lacerda é o melhor representante do espírito do que foi – e sempre será – o Baixo Gávea, como ficou consagrado o entorno do Bar Hipódromo, onde ele trabalhou por 34 anos. O anúncio do fechamento do tradicional e querido estabelecimento esta semana espalhou uma onda de tristeza e saudosismo nas redes sociais. Não houve tempo para homenagens, muito menos para uma saideira. O que não para desde então é o telefone do Lacerda, com os amigos-clientes querendo saber dele e de seu futuro.

O paraibano chegou ao Rio de Janeiro em 1972 e seu primeiro emprego foi numa churrascaria. Entrou como copeiro, saiu garçom. Em 1986, Lacerda começou a trabalhar no Hipódromo e sua simpatia e atenção foram fundamentais para a consagração do bar na boemia carioca. Como até 2005 o lugar não tinha hora certa para fechar, funcionando até o último cliente, era muito frequentado por artistas, jornalistas e intelectuais. Ao longo dos anos, sempre que surgia uma oportunidade, essa turma escalava Lacerda para entrevistas, comerciais de marcas de cerveja e até clipes de música, como “Garçom”, sucesso de Reginaldo Rossi.

A fama nunca mudou a maneira de Lacerda atender seus clientes. Para ele, todo mundo é famoso e merece o mesmo carinho e atenção. Não à toa, suas mesas sempre foram as mais concorridas do bar, não importando o dia da semana.

Foto de André Arruda, no livro “100 coisas que cem pessoas não vivem sem”

-Houve um tempo que era uma loucura, recebíamos grupos com mesas fixas todos os dias, principalmente da PUC, tanto de alunos como de professores. Teve a época da “Segunda-feira sem lei” e das quintas-feiras lotadas. A frequência caiu mesmo a partir de 2012 – lembra Lacerda, que sabe o nome de seus clientes mais assíduos, de 18 a 70 anos.

Como conhece muitos dos frequentadores desde o tempo que precisavam de cadeirinha alta para comer, Lacerda costumava receber ligações de pais à procura de seus filhos ou de namorados querendo confirmar se o/a cara-metade estava por lá, sem falar nas inúmeras vezes que fazia companhia para alguém, em pé ao lado da mesa, enquanto sua turma não chegava. A discrição sempre ditou as regras nessas horas e, por isso mesmo, os clientes sabiam que podiam contar com ele. Por tudo isso, Lacerda foi homenageado inúmeras vezes pelos fregueses: recebeu presentes, bolo de aniversário pelos anos de casa e até placa de “Melhor garçom”, cuja entrega foi imortalizada numa foto que por anos ficou pendurada na parede do Hipódromo.

Com 68 anos, Lacerda já se aposentou pelo INSS e pensava em parar de trabalhar no final deste ano. Por enquanto, ele não tem nenhuma proposta concreta de trabalho. Certo mesmo é sentar à mesa com seus clientes favoritos e brindar as amizades que conquistou do outro lado do balcão assim que as confraternizações forem possíveis.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: