O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE REINFECÇÃO

O ano vai chegando ao fim e a sensação é de que ele nem começou, especialmente no Brasil, onde ele só começa mesmo depois do carnaval. Tudo isso devido à pandemia de COVID-19. Apesar de as regras de contato social estarem em fase de flexibilização, o coronavírus ainda preocupa, especialmente com a notificação de casos de reinfecção no Brasil e no mundo e a ameaça real de uma nova onda. Para combater a falta de informação e ampliar o alcance de medidas preventivas, entrevistamos a diretora do Lach Laboratório, Barbara Lucena:

  1. É possível comprovar a reinfecção por coronavírus?

LACH LABORATÓRIO: Sim, um paciente que apresentou PCR positivo no passado, ou sorologia positiva que apresente um novo PCR positivo ou aumento dos títulos sorológicos, é compatível com um novo contato com o vírus.

2.         O Lach oferece exame capaz de detectar uma possível reinfecção?

LACH: Os exames são os mesmos. O PCR detecta de zero a 10 dias, aproximadamente, após o contato; enquanto o IgA, de 2 a 20 dias; o IgM, de 5 a 15 dias; e o IgG, de 7 a 25 dias. Lembrando que o período em todos os casos é aproximado e deve ser contado após o contato, e não após os sintomas, que, quando aparecerem, levam de 7 a 14 dias para se manifestar. Por isso também, muitas vezes há sintomas e PCR negativo. Nesses casos, a sorologia ajuda a detectar.

3.        As reinfecções são mais ou menos graves do que a primeira?

LACH: Pelo que estamos vendo, no geral, são menos graves, muitos sem nenhum sintoma. Há algumas alterações genéticas individuais que favorecem infecções mais graves, mas isso não é comum.

4.         O que fazer para não ser reinfectado?

LACH: É preciso manter os mesmos cuidados básicos: lavar as mãos, usar uma máscara limpa, evitar tocar no rosto e, principalmente, evitar aglomerações.

5.         O Lach já detectou algum caso de reinfecção?

LACH: Vários. Todos estão circulando com o “fim” da quarentena. O contato com outras pessoas – e com o vírus transmitido facilmente – se tornou comum. Lembro que contato com o vírus ou qualquer exame que mostre esse contato positivo, NÃO significa doença. Contato é só contato! A importância de saber nesse caso em que não há sintomas é evitar contaminações. Usualmente, pessoas com contato recente têm uma janela de transmissão quase imediata ao contato. Mas lembro também que, mesmo que o contato seja nas mãos apenas, uma mão suja transmite o vírus para outra pessoa por contato. Se o contato adentrar vias respiratórias, mesmo que o paciente não tenha nada, ele ainda pode transmitir por respirar ou perdigotos. Por isso, os grupos de risco precisam se manter atentos.

6.         Com um percentual pequeno da população testada, é provável que vários casos de reinfecção não sejam computados?

LACH: Sim, é possível, como em qualquer outra situação. Nem todos os doentes fazem exames e nem todo mundo tem o hábito de fazer check-up também.

7.         O ideal é que as pessoas façam testes mais de uma vez?

LACH: É indicado sempre que houver possibilidade de contato e/ou sintomas ou mesmo preventivamente, antes de se encontrar em grupos.

8.         Qual é a recomendação geral no atual momento da pandemia?

LACH: Cuidar da saúde e da higiene. Estudos mostram o tempo todo que, quanto melhor a imunidade, menos chance de contágio e também melhor recuperação.

Outras dicas e esclarecimentos sobre Covid-19:

  • O Covid-19 é responsável por uma doença chamada Sars 2 (Síndrome de Insuficiência Respiratória Aguda), cuja complicação leva à entubação.
  • Pacientes com IgG positivo e que mantém seu sistema imunológico em bom funcionamento estão protegidos contra o Covid-19/Sars 2.
  • Não há vacina ou anticorpo que proteja as pessoas do contato com um vírus ou bactéria. Os anticorpos e vacinas fazem com que a pessoa se defenda em caso de contato. Se os anticorpos vacinais (IgG) caem ou se a imunidade entra em declínio, a doença pode aparecer.
  • Muitos pacientes apresentam PCR positivo em algum momento, a maior parte deles sem sintomas. Isto acontece porque há anticorpos combatendo o vírus.
  • Quando a vacina estiver disponível, o exame que será realizado para verificar se a vacina “pegou” é o mesmo IgG sintetizado através de S1, que utiliza o método ELISA (fabricação alemã). Já adotado pelo Lach, este método é o único até hoje testado e com 100% de sensibilidade e especificidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: